segunda-feira, 29 de outubro de 2018

O ascenso do fascismo é coisa séria

O partido de extrema-direita Alternativa para a Alemanha (AfD) acaba de entrar no parlamento do último estado federado em que não tinha representação, sufragado por 12% a 13% dos votantes, que fizeram  a União Democrata Cristã (CDU) descer mais de dez pontos percentuais o Partido Social Democrata (SPD) com diferença negativa idêntica. A líder do SPD já fala na necessidade de rever a aliança que conforma o governo central. O perigo espreita ostensivamente.

domingo, 28 de outubro de 2018

Marcelo selfiza e a rapaziada publica

Consta dos velhos manuais do jornalismo que o jornalista não deve ser notícia, a não ser por alguma razão extraordinária. Os tempos modernos, de relativização de regras e até de princípios que pareciam correctos, contrariam essa ideia, banalizando holofotes sobre estes profissionais, chamados a fruir o festim de frivolidades em que o campo do jornalismo se tornou pródigo.

domingo, 21 de outubro de 2018

Bolsonaro em nós

Estou a matutar, ainda muito chocado com a divulgação da imagem de três detidos, numa humilhação gratuita e num tratamento degradante atentatórios da simples ideia de civilização, e também na divulgação, em contraponto à justa condenação daquela divulgação, de mensagens que exteriorizam os instintos de vingança mais primários que desejaria erradicados numa sociedade moderna e num Estado Democrático de Direito.

sábado, 20 de outubro de 2018

Os jornalistas e a paz

Intervenção no Encontro pela Paz. A foto é de Adérito Machado


Intervenção no Encontro pela Paz, em Loures, organizado pelo Conselho Português para a Paz e a Cooperação (CPPC) e por várias outras organizações, unidas numa plataforma e num lema de extraordinário alcance: "Pela Paz todos não somos demais":

sexta-feira, 19 de outubro de 2018

Intelectuais e o ascenso do fascismo no Brasil

Na Antena 2, Paulo Alves Guerra tem em estúdio um pianista brasileiro de sucesso. Delicadamente, interroga-o, por duas vezes e outras tantas maneiras diferentes, sobre as eleições no seu país. 
Outras tantas vezes o artista declina dizer o que pensa, para além da "aflição" com o "país dividido", interessando-lhe mais declarar que que está na Europa "como brasileiro para dar o (seu) melhor".
Esta mistura de aparência de neutralidade e de patriotismo enjoa-me. Também é assim que o fascismo vai chegando...

sábado, 13 de outubro de 2018

Dos directos


A sério que é preciso esta cena?...
Qual é o "critério jornalístico" do directo molhado?

terça-feira, 9 de outubro de 2018

O franco-brasileiro e a televisão portuguesa


Alguém me explica, nem que seja devagarinho, para eu perceber, por que razões este senhor, franco-brasileiro (classifica-se algures) nascido no Brasil, diplomado em Paris, presidente do grupo francês Renault, fala em inglês à correspondente (portuguesa) em Paris?
Agradecido.


quarta-feira, 3 de outubro de 2018

Da ortografia de serviço à RTP


De facto, não seria melhor a RTP apurar se este senhor deputado terá mais fatos, além deste?

segunda-feira, 1 de outubro de 2018

Salvador Allende

Por favor agendar


domingo, 30 de setembro de 2018

Interrupções

Entroncamento, Setembro de 2018

sexta-feira, 21 de setembro de 2018

Dia Internacional da Paz


A convite do Conselho Português para a Paz e a Cooperação, participei hoje num debate, no Clube Fenianos Portuenses, com Ilda Figueiredo e Henrique Borges. Nesta bela iniciativa, se sala cheia e interessada, disse o texto que se segue:

segunda-feira, 17 de setembro de 2018

A Paz em debate

Por favor agendar


sexta-feira, 31 de agosto de 2018

Declaração mural

Ferrol, Galiza, Agosto de 2018

quarta-feira, 22 de agosto de 2018

José Afonso

Estou a pensar na súbita, e pelos vistos contagiosa, necrofilia ansiosa que tenta colocar na ordem do dia a glorificação de mortos pátrios. 
Até José Afonso está posto na fila para ser alçado a honras de Panteão Nacional. Logo o Zeca!!! Então não querem mais nada, tirá-lo de entre o povo?!

segunda-feira, 20 de agosto de 2018

Cancro e charlatanismo


Estou a pensar nos sofrimentos, nas angústias e nas dúvidas e incertezas, tantas vezes desesperança, por que passam doentes oncológicos e familiares, sempre que transpõem os portões do IPO, nas longas horas ou dias e noites que nele permanecem.
Graças aos extraordinários e contínuos avanços da Ciência, já não há dúvidas em relação aos assinaláveis progressos no diagnóstico, na terapêutica e no acompanhamento dos doentes, assim como quanto à expressiva redução da mortalidade e ao aumento das taxas de sobrevivência e da esperança de vida.
Estou a pensar nisto a propósito do charlatanismo que ainda vai campeando, mesmo junto dos acessos aos hospitais especializados (na foto, o portão principal do IPO-Porto), tentando apanhar à falsa-fé, como salteador de estrada, aqueles precisam de acreditar em tudo e agarrar-se a tudo.

domingo, 19 de agosto de 2018

Oscar esquecido


O "Diário de Notícias" de hoje (edição em papel) publica um trabalho sobre goeses em Portugal e, além de oficiais de outros ofícios, menciona dois jornalistas. Tenho tanta pena de terem esquecido o Oscar Mascarenhas (Goa, 1949 - Lisboa, 2015)!!...

sexta-feira, 10 de agosto de 2018

Casado e a ETA


O jovem Pablo Casado, recém-eleito presidente do Partido Popular espanhol, elegeu, para início de hostilidades políticas, o tema sensível e complexo da memória das vítimas da violência atribuída à ETA, esbracejando contra a decisão do Governo de transferir antigos militantes da organização para prisões no País Basco 
Fê-lo de tal forma estúpida e insensível, que nem as associações de vítimas estão do seu lado. Se não percebe por que razões fica tão isolado, este fascistazinho não percebe mesmo nada do que um putativo postulante de estadista deveria ter como medianamente estudado.

terça-feira, 7 de agosto de 2018

Direitos e "confusão"


Faz-me uma enorme confusão que se considere, num Estado de Direito Democrático, que lutar pelos respectivos direitos é "criar confusão". O "semáforo" do jornal "i" ainda estará no tempo do respeitinho é muito bonito?

domingo, 5 de agosto de 2018

Jornalismo submersível


Prodígios do jornalismo estival: uma Presidência submersa.
Ou o ridículo não tem limites!


sexta-feira, 20 de julho de 2018

Espanha, mais tarde ou mais cedo

Navasfrias, Julho de 2018

segunda-feira, 9 de julho de 2018

Memória de papel


Pensando nesta "molhada" de recortes de jornais em processo de seriação, e especialmente na campanha de auto-promocional do semanário "Expresso" levada a cabo em Março, estou a matutar nas sábias palavras de um velho revisor de imprensa (que me foram contadas há dias por uma então jovem subordinada), aconselhando-a a consultar sempre os dicionários, prontuários e gramáticas.
Não é que se importasse de responder-lhe sempre que procurasse ajuda para certificar-se da ortografia, aclarar um significado ou indagar do acerto no emprego de uma expressão. Mas, explicou, lendo - e lendo nos livros, no papel - , mais fácil e naturalmente reteria na memória.
Fiquei a matutar nisto, pelo que vale de reflexão sobre a imensidão de informações (e de emoções!) que somos capazes de guardar nesse prodigioso alforge que é o nosso cérebro, conservando das leituras dos jornais e dos livros os fragmentos, ou pelo menos as referências, do que passou a ser realmente importante para nós, do que nos há-de ser útil e do que nos deleita. 
Não sei se o "ambiente digital" algum dia nos proporcionará esse prazer.

sexta-feira, 6 de julho de 2018

Diversão semiótica

Vila do Conde, Julho de 2018

segunda-feira, 2 de julho de 2018

O primeiro dia sem o DN diário


Estou a pensar, matutando na ausência, hoje, pela primeira vez, do "Diário de Notícias" da minha leitura diária da imprensa analógica, sobre o futuro dos jornais. E receio ter chegado à conclusão de que as operações de subtracção não nos farão mais felizes.

quinta-feira, 21 de junho de 2018

Sobre o conceito variável de "coligação negativa"

Se o CDS, o PSD, o PCP, o PEV e o BE convergem no sentido de reduzir ou revogar o imposto adicional sobre os combustíveis, estamos, segundo órgãos de comunicação social como a SIC, perante uma "coligação negativa".
Se o CDS, o PSD e o PS convergem no sentido de consagrar — ou manter — em lei os apetites dos patrões contra os trabalhadores, estamos perante uma "coligação" de que tipo?

sexta-feira, 15 de junho de 2018

O Professor Barreto sempre sobre o PCP


Olhe que não há milagres, senhor Professor. Há convicção, coragem, determinação, abnegação, luta, resistência. E uma causa justa!
E olhe já são bem mais de 50 anos. Actualize-se, actualize-se...

sábado, 9 de junho de 2018

A Revolução dos Cravos no Norte

Agendar, agendar!


sexta-feira, 8 de junho de 2018

Das conferências de imprensa com claques de futebol

Andam estranhos os dias no jornalismo e na cobertura do "futebol". A última: alguns anunciam como "conferência de imprensa" uma coisa que um dirigente neonazi "candidato" à liderança de uma claque anunciou como "conferência convívio" e para a qual convidou "todos os adeptos".

sábado, 2 de junho de 2018

O JN na memória da paisagem portuense


Estou a matutar, pensando nos 130 anos do "Jornal de Notícias" que hoje se assinalam e no esquiço da então futura sede do JN publicada há precisamente 50 anos, quanto o jornal se propôs marcar a paisagem portuense e no que restará dessa marca identitária no futuro.

sábado, 19 de maio de 2018

Uma questão de higiene intelectual


Aturar uma "informação", dita de serviço público, um dia inteiro embevecida com um casamento em Inglaterra já era dose insuportável, até para a paciência mais basbaque.
Mas ver e ouvir, na RTP, uma senhora apresentada como historiadora, aliás monárquica, afirmar, sem engasgar-se nem corar, que "os americanos sempre se preocuparam com a questão das minorias" e "com a questão da população afro-americana", que "as monarquias europeias são democráticas" e que os monarcas "não se imiscuem na política" — tal e qual "o nosso Presidente da República" — já passa os limites da higiene intelectual.

segunda-feira, 14 de maio de 2018

Provocações e repressão

A provocatória transferência da embaixada dos Estados Unidos para Jerusalém teve hoje uma expressão sangrenta (pelo menos 52 palestinianos mortos e mais de 1500 feridos pela tropa israelita em Gaza). Infelizmente, é o início da confirmação das graves consequências de uma decisão que os seus próprios aliados contestam.