sábado, 2 de abril de 2016

No 40.º aniversário da Constituição da República, o partido do costume

Estou a pensar no exemplar da 1.ª edição da Constituição da República Portuguesa, promulgada há 40 anos (completam-se hoje), que possuo na minha modesta biblioteca.
Muito para além de mera peça com elevado interesse para o bibliófilo que não sou, este exemplar da CRP tem-me servido para mostrar preto no branco como foi possível, há quatro décadas e no complexo quadro - em muitos aspectos contra-revolucionário - de então, alcançar uma Lei Fundamental tão progressista.
Penso necessariamente nisso, hoje e a esta hora, passando em revista a actualidade do dia e procurando informar-me sobre o modo como os partidos - todos os partidos - assinalaram a efeméride.
E penso necessariamente nisso ao concluir que só um, apenas um e o do costume, o fez. E que alguma razão séria, profunda e consequente haverá para que tenha sido assim.