domingo, 6 de setembro de 2015

O problema dos holofotes


Lembrei-me da entrevista com a deputada do BE Mariana Mortágua a que a revista do "Expresso" de 22 de Agosto dá grande destaque.
Foi a propósito da entrevista com o secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, que o jornal publica esta semana, e especialmente das últimas perguntas e respectivas respostas:

P - (Jerónimo de Sousa) É um político popular. Mas há outros. Teme o efeito da popularidade de Mariana Mortágua na votação da CDU? 
R - Se fossemos por aí... No nosso grupo parlamentar, temos jovens de grande categoria, que trabalharam no duro e que não temem a comparação com qualquer outro deputado! 
P - Mariana Mortágua não é imbatível, é isso? 
R - É uma candidata, enfim. Com as ambições que tem direito a ter. 
(...)
P - Acha que ela foi uma boa deputada? Esteve bem na comissão do BES? 
R - Sim, esteve. Mas seria uma grande injustiça não valorizar a intervenção do meu camarada Miguel Tiago, um jovem que teve grande capacidade de intervenção, muitas vezes sem o penacho nem a luz dos holofotes. 
P - Mortágua foi levada ao colo pela comunicação social? 
R - Não disse isso. Mas se se sobrevaloriza um e se silencia ou ensombra outro...
.