sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Avenida da Liberdade, n.º 266 - Lisboa



Antes que este dia acabe, chamo a atenção para a última "coluna" que a jornalista Fernanda Câncio escreveu na Avenida da Liberdade, n.º 266, em Lisboa, e no talento e na coragem que lhe admiro, não obstante divergências que temos sobre dois ou três assuntos.

Estou a pensar no que este texto tem de coragem e de reflexão sobre as nossas omissões e demissões colectivas, a indiferença pelos lugares e os significados do afastamento - físico e simbólico - dos centros das cidades de cujo pulsar e de cujo pensar os jornais foram propulsor vital.