quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Proposta "fracturante" de sinal contrário

Em vez de assumir as suas responsabilidades políticas democráticas, os jotinhas do PSD empurraram o grupo parlamentar para uma decisão dramática para a consciência de muitos dos seus próprios membros.
Embriagados com o protagonismo que lhes confere uma proposta "fracturante" de sinal contrário - e contrária ao progresso -, os jotinhas insistem no absurdo referendo sobre a co-adopção e a adopção de crianças por pessoas do mesmo sexo, tornando o Parlamento refém de uma infindável e muito provavelmente enviesada discussão ético-moral.
Deplorável é a decisão da maioria dos parlamentares do PSD de impor a disciplina de voto, atingindo o reduto da liberdade de consciência que, em matérias como esta, não pode ser senão inviolável; porque as decisões políticas que os parlamentares tinham a tomar já estavam em grande parte tomadas; e porque pretende transferir para outra sede a conclusão do processo legislativo já em curso no Parlamento com vista à criação de um regime jurídico da co-adopção.
O que se deseja é que a votação de amanhã não nos envergonhe, que a birra dos meninos seja contrariada e se abram as janelas a desempestar a Casa da Liberdade do bafio doentio. 
Além disso, temos todos mais que fazer.
.
.